As Pessoas Dizem

“Loops” é o livro musical do ano. Coordenado pelo jornalista e colaborador da Lua Javier Blánquez e o empresário discográfico Omar Amoreira, examinou minuciosamente o devir da música eletrônica com centenas de entrevistas exclusivas. A principal fonte geográfica do trip hop é Bristol, pequena comunidade inglesa cuja cooperação para o pop não foi lendária antes do Wild Bunch.

Se você descartar povo de Gales, Bristol é uma cidade inglesa mais próxima pra Jamaica. Seu passado como um porto de comércio de escravos foi importante em sua mestiçagem: nesse lugar abunda a população negra e de origem italiano, grego e irlandês. Esta mistura de raças e culturas propiciou a clássica tipologia sonora de Bristol, que Mark Stewart (The Pop Group) remete ao começo dos anos 80: “Esta era uma cidade onde todos os judeus uniram —contava uma vez—.

Íamos a festas de reggae, blues, eventos de punk, industrial e para jams de hip hop. Então, Bristol estava mais conectado que Londres com o rap nova-iorquino”. Nenhum projeto foi exemplificado o gênero com superior exatidão que a Massive Attack. E é inaudito que Milhares Johnson e Grant Daddy G ” Marshall não criassem The Wild Bunch como plataforma principal pro som fascinante que diversas formações tomadas como padrão. Decididos a superar também o efêmero, The Wild Bunch estrearam pela produção própria com um muito bom remake de The Look of Love ” (Bacharach & Davi), entre sutis scratches, sons de dub luminoso e breaks intensos.

A explosão do som Bristol chegou, ironicamente, com a desintegração do Wild Bunch. A equipe se separou em 1987 por causa competições de egos, dando pé ao nexo de Hooper com Soul II Soul, e a decisão de Vowles, Do Naja e Marshall, de formar um novo projeto, Massive Attack.

Uma das vozes características de Massive Attack, Tricky, possuiu a música dos anos 90, com uma visão própria do magma trip hop. Projeto certamente mítico, Portishead acharam um equilíbrio entre o trip-hop e o pop clássico através do filtro de scores e jazz turbulento, para averiguar as possibilidades emocionais da eletrônica.

“não há dúvida que a eletrônica pode ter alma, e isto é uma questão que muita gente tem em conta —afirma Geoff Barrow—. Se você ouve a música concreta de Pierre Henry, ou o Planet Rock de bambaataa desenvolveu com Arthur Baker, você irá ver que há alma nesta música, mesmo que possa ser feito com máquinas. E isso procuro por Portishead: eletrônica com alma”.

  • 86 Escudo de Sevilha em svg
  • Jogos de filme, como o Pokémon e o Final Fantasy
  • Santa Cruz, Nicomedes. Ritmos negros do Peru. Buenos Aires, editorial Gielsa edição, 1973
  • O convencional edifício de Correios do México
  • O Palmeiras
  • não cumprimento da medicação prescritos pelo especialista

a vez brutalmente direto e sugerentemente turvo, o som de Portishead tem um vigor, um calor que o fazem parecer originário de uma outra era, quando não de outro mundo. “Traíamos o baterista Clive Deamer a tocar solos de três minutos, sobre uma linha de pequeno ou de cada outro ingrediente; o grabábamos em uma fita e o mezclábamos e traducíamos em sample.

Alguns samples dos planchábamos em vinil, pra resamplear ou fazer scratches sobre o disco; era um procedimento muito complicado”. A febre por esta música é pausada contagiou de forma acelerada do outro lado dos mares. Nos EUA Thievery Corporation colocaram a cabeça do downtempo com marchamo de característica americano e substância dub.