Fórmula 1: Dez Motivos Para Continuar A F1

O Mundial arranca de novo na Austrália (D/6.00): Alguém fará sombra de Hamilton? Você dá a nova cali? A Joaquín Sabina lhe sobraram os motivos pelos quais a Fórmula um de hoje suspira. Até Bernie Ecclestone, o octogenario dono do brinquedo, admitiu ter perdido porção da paixão por teu brinquedo.

E se um é inglês ou até mesmo alemão, ainda. Mas o resto de aventureiros espanhóis lhes aguardam alguns madrugones (o primeiro, nesse domingo, às 6.00 horas) e mais de um lanche ao meio-dia, com poucos mistérios pra desvendar. Desde que O Mundo lhes oferecemos 10 motivos para continuar viajando nesta temporada, sobre o assunto as 4 rodas. As dúvidas são obrigadas. O que teria acontecido se tivesse sido Hamilton, contra nestes dois anos de briga? Você teria mordido a língua, como fez o cabeludo Nico? O manteria intacto o ‘casamento’ da equipe alemã?

  • Ainda te amo
  • Ofício de solicitação de tratamento
  • onze Colchões especiais
  • 1957 – Yuma (EUA)
  • 2 Massas curtas
  • 1990-1993: Thalia, Mundo de vidro e Love
  • um Efeitos entre as partes

As hipotéticas respostas não deixariam no prazeroso território para Lewis. Aquela amizade longe, há bastante tempo, é a história entre os 2 pilotos que tiverem sido o espólio da Fórmula 1 por este biênio de purpurina e fogos de artifício. 32 vitórias a respeito de 38 possíveis para Mercedes.

Vinte e um para o britânico e onze pro alemão. Entre meias, lançamentos de bonés como o dia da segunda coroação de Hamilton, pela cidade de Austin. A Rosberg não lhe fez nenhuma graça a manobra agressiva de teu companheiro pra abocanhar o título. Nem suas artimanhas no decorrer do GP da China de 2015, em que o alemão restregó ao seu parceiro o ter posto em traço a tua segunda posição frente de Vettel.

Rescaldos daquela ferida sem cicatrizar de Spa 2014 no momento em que uma presirada de Nico deixou fora de combate, Lewis e o fez entrar em erupção. Talvez, naquele meio-dia, pela Bélgica, pra variar a trajetória de sua ligação e lançou o britânico, gols, estrela da equipe alemã e piloto mais bem pago da grade, para o infinito. Não falamos de uma pizza, embora possa parecer.

Verdadeiramente, assim sendo se pensou durante alguns dias. Até que Sebastian Vettel explicou que a situação de batizar alSF16-H com o nome de Margherita era uma homenagem a uma das últimas rainhas italianas -Margherita Teresa de Saboia (1851-1926)-. Em sua homenagem, idealizou a archifamosa pizza. Mercedes. Já deu um primeiro aviso, o ano anterior, quando lhes sonrojó em até três vezes, uma delas,em Singapura, birlándoles mesmo a ‘pole’.

Eva, o nome de seu primeiro Ferrari, esteve na batalha pelo título até o fim do verão, graças às 13 pódios. Agora é a vez de Margherita. Tanto Seb como Kimi Raikkonen são conscientes da superioridade dos carros alemães, todavia bem como de que eles têm potencial pra penalizar qualquer nanico erro em um inapreciável detalhe da corrida. São duas temporadas em branco que leva Vettel, acostumado pela Red Bull a dominar como hoje o faz a partir de uma outra calçada Hamilton.

a Certeza de que o alemão vai tentar por todos os meios de fechar esse extravagante parênteses pessoal. Fernando Alonso faz um par de semanas em que os microfones de “Onda Cero’. A confirmação de que ainda teremos que aguardar pra observar o McLaren lutando, não só na vitória, contudo por um pódio.